Galileu, filosofia e ciência – Parte IIIb

Filosofia e Filosofias no Renascimento

Eduardo Kickhöfel

Porchat

Ao longo dos séculos, as ciências naturais tomaram conta da Arbor scientiarum da filosofia e formaram uma miríade de novas disciplinas. Hoje, existem disputas territoriais em jogo, mas penso que a resistência às ciências naturais têm origem em pensamentos antigos. Oswaldo Porchat, em um texto que descreve seu caminho ao ceticismo, talvez aponte para o cerne da questão:

A pretensão dos grandes sistemas filosóficos a uma fundamentação definitiva de seus discursos, a uma posse legitimada da Verdade, pareceu-me apenas testemunhar sua religiosidade essencial e profunda. Ainda que conjugada com uma profissão de fé ateia ou agnóstica. Na sua pretensão oracular de editar o Logos eterno, apareceu-me que os filósofos continuavam a comungar da crença grega na divindade da razão especulativa. Sacerdotes leigos de Zeus e intérpretes do verbo divino, cada um deles proclamava a única e verdadeira Sabedoria, no desprezo pelo saber do comum e suas opiniões…

Ver o post original 1.109 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s